sexta-feira, março 13, 2020

Help! COVID-19 shut down my University, how can I teach now?

Pragmatic recommendations for a contingency passage of face-to-face teaching to online teaching

(Leonel Morgado, leonel.morgado@uab.pt, Universidade Aberta, Portugal, 2020-03-12) http://hdl.handle.net/10400.2/9471

The ongoing Corona virus pandemic has already led several universities and colleges to shut down their operations country-wide, recommending that classes are replaced with online means. I've already been approached by a few colleagues requesting suggestions and pointers.
So, bearing in mind some off-the-mark aspects, unavoidable on something written as the quill flows and the keys pounce, I hope to contribute to help colleagues teaching in face-to-face education, in this phase of troubles.



Universidade Aberta (UAb), where I lecture since 2013, is an entirely online public Portuguese university, our national counterpart to the UK's Open University. It already has 32 years of experience in distance education, 13 of which online following its Virtual Pedagogic Model. We are revising it to include new technology developments, an ongoing process.






Obviously, there is plenty of information online, either at Universidade Aberta, or in other institutions and platforms. However, for one who must start teaching online overnight, there is probably no time, no administrative structure, and possibly not even self-confidence to learn how to adopt a full pedagogical model.

An important aspect is that face-to-face universities have a public with a striking difference from that of Universidade Aberta: while at UAb the typical student is between 30 to 50 years-old, meaning a working student, often with minors or other people to care for, at face-to-face universities the typical student is aged between 18 and 23 years-old, without professional or family responsibilities.

Considering all of this (colleagues requiring quick and pragmatic support; an administrative context organised with the expectation of 9 lecturing hours per week - 12 hours at polytechnic colleges; and students without schedule restrictions), here are my contingency-response suggestions.

1st - Don't just go and stream/record auditory lectures

Let's face the facts: only a few students in your auditorium are actually learning something with your 1-hour or 2-hour lecture. Yeah, we know you're a magnificent public speaker. Oh yeah, we know that students are responsible grown-ups, which will only fail to pay attention if they don't want to, and that they are even mandated to pay attention. We know all of that, for sure. But in fact we also know that the traditional lecture at universities is a completely inefficient way of making use of time. If it was efficient, one could do midterms and finals at the exit of lectures, and students would reveal the excellency of their learning. But no: after spending one or two hours listening to an explanation, students must still go and study all of it again, so they then really learn. My point: lectures are effective for purposes such as framing, setting up students' viewpoints for subsequent study, forcing them to spend some time (and this won't happen the whole hour for the whole class) paying attention, since we know all too well that many will only care about studying when closer to assessment moments.

Therefore, if you go and record or live stream your lectures, you're just ticking items as done in your calendar, going through the motions. It'll be disheartening to you (because you won't be able to interact in the same flexible and immediate way you're used to). And it'll be disheartening for students (because they'll find lectures even more mind-numbing than usual).

Good "lectures" are not explanations: they are diversified moments. Framing moments, providing the lecturer's personal perspective on the requested study topics; moments which provide examples that generate conflicts between students' perspectives and reality, alerting them to what may go unnoticed in traditional study; moments supporting self-reflection and organization of study work; and moments promoting debate, giving students a way to develop cognitive links between what they know, the interpretations they develop, and the knowledge and perspectives that the lecture wants them to reach. 

In my next recommendation I provide alternatives to video lectures.

2nd - Use an online platform to organize study and students' interactions

Instead of recording or live streaming lectures, get hold of an online space. It can be your institution's Moodle, Blackboard, Canvas or whatever LMS system you use; if you don't have one there, you can create an online space in one of many available online collaboration platforms, or even combine a blog with a shared cloud drive, either at Portugal's MEO Cloud or the international options OneDrive, Google Drive, Dropbox, and more.

2.A - Identify for each week the materials that students should study

That is, what are the relevant pages in the textbook? Which papers? Which online videos? Which technical documents? Which case reports?

2.B - Identify the purpose of studying each material - be objective

This means you should not simply state "study such and such pages". The student will read them unknowing if the purpose is memorising facts or extracting some reflection. The student won't know if the point is confronting ideas from the conclusions of paper 1 with the middle table of paper 2, or instead add up the facts from a paper with those of the following one. State to students what you want them to achieve with each reading/playing/analysis.
In this process, include some training activities. Traditional exercises (not complex ones!) with their answers, problems for analysis alongside their resolution... tell students that the purpose is for them to check if they can reach those answers or resolutions through their study.
For content without straight, "right" answers, provide students with assessment rubrics: that is, tables that help them understand the structural aspects of a solid answer, or of an inconsistent one. There are plenty of online resources about it.

2.C - Lay out activities for discussion e reflection upon the content matter by the entire class - not just "doubt-clearing spaces"

Even with guidance, students can feel discouraged from studying or not really feel they are progressing. Doubts only come about to those successfully progressing in their study. Those really in need of your teaching action... will probably lack any doubts. But you cannot engage one-on-one with auditorium-filling classes. So, you need them to engage in debate among themselves - or indeed debate you, but as a group, as in a physical class, not as office meetings.

If you have access to a Moodle installation of any other LMS platform, create (at least) one forum for each topic. In that forum, point out which key aspects require debate. Don't rely just on stuff that is lifted straight out of the readings. Please don't! Rather, post real cases, interesting cases for analysis. Theory dilemmas. Exercises, problems or cases that are not trivial to solve, which will lead many students to ask for help from colleagues and from the lecturer.

2.D - If you use some videos of your own, make them short and for framing/motivation; not for explanations

Students like videos. Its a communication format, it's a lingo they enjoy, as long as they're properly made. And when the lingo is the right one that contributes towards motivation. But they also provide a false sense of competence. Empirical research tells us that videos have very differentiated viewing rates, between those seeming them entirely and those watching for only a few minutes. 
Therefore, the most effective videos are made for very specific purposes.
  • Once in a while, shoe your face or use your voice, so that students feel that it's really their teacher there (it's not mandatory: you don't have to do it in all videos) - I only have a single video with my face, to launch a course.
  • Make videos short (3-5 minutes, 6-7 tops) to provide your perspective on the contents that will be studying, to guide the study effort, to motivate. I leave here some examples of my own from an Informatics Engineering course at Universidade Aberta, but they are far from perfect - this is always a continuous improvement process.
  • Direct them to videos already on the Net, ones you know are of good quality, as a way to drive students to adequate materials, rather than leaving them adrift in a sea of disinformation.

3rd - Be present in your online course

It's not enough to provide contents and activities, and then wait for queries. That will only support a tiny sliver of very devoted students. And even those are not getting their due support, because if you were there they'd reach farther. There are 9 hours per week (12 in polytechnic colleges) scheduled for lecturing. 

3.A - Sow so you can reap

As I've mentioned in recommendation 2.C, don't just announce yourselves available to clarify doubts. It's your responsibility to disturb the waters of thinking, so that doubts emerge. Guide the debate, by providing specific goals. For instance, "Each student must analyse here a different YouTube video, under the scope of study materials x, y, z"; "Share here the result you got using the ACME tool on..."; "You should discuss these cases/examples/dilemmas following the principles of..."; "How can we combine the concepts of John Doe with those of Jane Doe, when they contradict each other in this case...?"; etc.

3.B - Intervene regularly

If students are not participating, go to the forum or discussion location and post some incentive. It can be a plain encouragement and making yourself available, early on. But you can also provide an example of what you want to see. Or share some novelty of interesting complement. Etc.

3.C - Talk with students, not to students

This follows from 3.B. It's not enough to say "Well then, are there no doubts?". That can even be counter-productive. Students must feel it worthwhile to intervene; that they will profit from it with what they'll learn and with what the teacher will clarify. If they feel that they can only intervene to exhibit competence and mastery... only those not requiring your teaching action will intervene.
When encouraging, provide examples of what could be a possible problem or doubt arising from studying, one that could waste lots of their time, but can be sorted out in minutes by their colleagues or teacher if brought about.
When replying to students, don't try to swallow up the sea by answering to each one (unless there's just a few of them): group several queries that have something in common and make a global response to all of them, as if in a physical lecture you allowed several students to have their say and then you'd intervene to consolidate or dissect the discussion.
Try to interpret what underlies students' misunderstanding. Instead of assuming that something was wrongly understood or resulting from not paying attention, ask, providing hypotheses, whether the student is seeing the issue this way or that. Let the final response to a later stage, when it's clearer to you, to the student, and to all colleagues, that you'r all in sync.

4th - Use synchronous moments for encouragement and human support: not for content delivery

Face-to-face students are all in the same time zone. And unlike those at Universidade Aberta, almost all have their workweek free for studying (i.e., the vast majority don't have a job or family members to care for). This allows you to schedule synchronous sessions and actually have students attend them, be they videoconferencing or chatting.

4.A - Use a community space to avoid feelings of isolation

Today students are not in front of a computer at all times. But they always hang with their smartphones. So, having a chat space with mobile notifications is a good solution to break feelings of isolation. You can use, for instance, WhatsApp, which enables students to have the comfort of knowing that all they write is immediately received by the class. The ones available can react and that cosiness of having available support is comforting. You can complement this with spaces for publishing and sharing documents and other materials, such as a wiki, a Moodle forum, a shared cloud folder, or even a 3D virtual world, depending on your availability, ambition, and perspective.

4.B - Answer queries live only for personal personal or urgent issues, not as a shortcut

If a student feels that it only takes posting a query on WhatsApp, Skype, Zoom, etc. to get a response... that student will henceforth always use that channel. But there are more students, not just that one! If that query doesn't have any personal dimensions, or other recommending some privacy, the proper thing is to provide a commitment of swiftness in that synchronous moment, but do the process in the online shared space, benefiting all. For instance: "Place that query in this topic's forum, and I hereby promise to answer you in the next half-hour/hour/until the end of the day" (depending on what the situation calls for).
This way, the student has the comfort of knowing that an effective and assured answer will be provided, that the teacher is present, but the query if exhibited to all, generating dynamics in the course and encouraging other students to also come forwards with their queries. And the teacher's answer benefits the overall discussion, not just the student asking it in private.
If the case at hand recommends an immediate answer to the query, then answer it right away. For instance, when a student only has that time slot available at a network-providing location before returning a lodging devoid of network connections, or because the student has been recovering from health issues and one shouldn't waste a moment when the student pulled together enough strength. But in those cases, when should place upon the student the commitment of sharing with the class: "I'm going to answer you right now, but please make me a favour and go afterwards to the course forum, to share your query and my answer, benefiting all colleagues." It is important that it is the student the one doing the sharing, if possible, due to it being a contribution towards peer dynamics (students) not just the teachers' magistral dynamics.

5th - Get more informed - and then some - about online education, and innovate

Going back to what I started with, there's an immensity of papers on how to teach online. The tips I've posted here are just a first drop, for this contingency situation. There are more colleagues helping out, you can start by the tips of George Veletsianos. Then check our 10 fundamental principles in this article at The Chronicle of Higher Education. And then go check more advice for the current pandemics, provided by Tony Bates.

Besides tips, there is a deluge of techniques, practices, and knowledge. A nice summary of 25 years of educational technology has recently been published as a free PDF book by the Athabasca University Press. In the communities and collections at the Open Repository of UAb and other online universities you can find immense resources and works on the most varied aspects of this field. And both in YouTube an in many other online platforms and Web sites you can find suggestions, instructions, examples, tips, and multiple techniques and media.
For instance, you can use Twine so students can create interactive online stories; shared mind maps so you can track how students are extracting meaning from a disjoint set of documentation specimens; have interlinked portfolios of Web pages and shared documents to track distributed team work; and much more.

6th - Be an academic also when reflecting upon e-learning, use your critical sense, don't fall for "I think that"-ism.

Too many people, who avoid uninformed or ignorant opinions in their own fields, come to teaching, to education, to learning, full of themselves. Education Sciences have already about 100 years of progress as a science. There is creation of knowledge. There is an enormous community studying, researching, publishing results, and trying to reproduce them. Details such as determining the length of videos depending on their purpose, their structure, their use in the context, how one should write, etc.... for all this there is research. Google Scholar is your friend. It is well worthwhile, as in all scientific fields, to explore the field's literature and get ever more informed.

Colleagues, going the way of distance education is worth it.
And who know, maybe you can even use in the future, in combination with your face-to-face lecturing, to extract form each its maximum worth.

quinta-feira, março 12, 2020

Socorro! A COVID-19 fechou a universidade, como ensino?

Sugestões pragmáticas para passagem de contingência do ensino presencial para online

(Leonel Morgado, leonel.morgado@uab.pt, Universidade Aberta, 2020-03-12)
http://hdl.handle.net/10400.2/9471
A pandemia em curso do vírus corona já levou ao encerramento de várias universidades e politécnicos do país, com recomendações aos colegas para substituírem as aulas por meios online. Já fui contactado por alguns colegas a pedirem-me sugestões e indicações.
Assim, pese as inevitáveis imprecisões de algo escrito ao correr da pena e bater de teclas, espero contribuir para ajudar os colegas do ensino presencial neste período complicado.



A Universidade Aberta (UAb) universidade pública portuguesa totalmente online, onde leciono desde 2013, tem já 32 anos de experiência a lecionar à distância, 13 dos quais online seguindo o seu Modelo Pedagógico Virtual. Estamos a reformulá-lo para incluir as novas realidades tecnológicas, um processo ainda não concluído.




Há muita informação online, claro, quer na Universidade Aberta, quer noutras instituições e plataformas. Contudo, para quem tem de passar a lecionar online de um dia para o outro, provavelmente não há tempo, estrutura administrativa e até autoconfiança para aprender a adotar um modelo pedagógico completo.

Um aspeto importante é que as universidades presenciais têm um público muito diferente do da Universidade Aberta: enquanto que na UAb o aluno-tipo tem entre 30 e 50 anos, estando geralmente a trabalhar e com menores ou outras pessoas a cargo, nas universidades presenciais o aluno-tipo tem entre 18 e 23 anos, sem responsabilidades profissionais ou familiares.

Com isto em vista (os colegas a precisar de apoio rápido e pragmático e tendo presente que a parte administrativa está organizada para 9 horas letivas por semana por docente - 12 no ensino superior politécnico - com alunos sem restrições de horário), aqui deixo as minhas sugestões de contingência

1.ª - Não se ponham a transmitir as aulas teóricas em vídeo

Assumamos os factos: poucos dos alunos do auditório estão a aprender alguma coisa com a vossa palestra de 1 hora ou 2 horas. Sim, sabemos que sois oradores magníficos, com uma capacidade expositiva fenomenal. Sim, sabemos que os alunos são adultos responsáveis, que só não prestam atenção se não quiserem e até têm obrigação de prestar. Sabemos isso tudo. Mas de facto também sabemos que a aula expositiva tradicional das universidades é uma forma completamente ineficiente de aproveitar o tempo. Se fosse eficiente, podiam-se fazer as frequências e exames à saída das aulas, que os alunos revelariam ter aprendido muito bem. Mas não: após gastarem uma ou duas horas a ouvir uma exposição, os alunos ainda têm de ir estudar tudo outra vez para realmente aprenderem. Ou seja: as aulas expositivas são eficazes é a enquadrar, a preparar o ponto de vista dos alunos para o estudo posterior, a obrigá-los a estar algum tempo (mas não estarão a hora inteira, a turma inteira) a prestar atenção, porque sabemos bem que muitos só se preocuparão com o estudo mais perto dos momentos de avaliação.

Por isso, se forem gravar as vossas aulas ou transmiti-las ao vivo em video streaming, só estão a cumprir calendário. Será desmotivante para vós (porque não podeis interagir da maneira imediata e flexível a que estais habituados). E será desmotivante para os alunos (porque ainda acharão as aulas mais maçadoras do que habitualmente).

As boas aulas "teóricas" não são expositivas: são diversificadas. Enquadradoras, dando uma perspetiva pessoal do docente sobre a matéria cujo estudo indica; propiciadoras de exemplos que criam conflitos entre as expetativas dos alunos e a realidade, alertando-os para o que podem não reparar num estudo tradicional; apoiam a autorreflexão e a organização do trabalho de estudo; e promovem o debate, para dar aos alunos forma de desenvolver ligações cognitivas entre o que sabem e as interpretações que desenvolvem, e os conhecimentos e perspetivas que o docente quer que atinjam. 

Na próxima sugestão dou-vos alternativas às aulas em vídeo.

2.ª - Usem uma plataforma online para organizar o estudo e a interação dos alunos

Em vez de gravarem ou transmitirem aulas téoricas, arranjem um espaço online (pode ser no Moodle da vossa instituição, no Blackboard, no Canvas ou no sistema LMS que usarem, se não tiverem nenhum podem criar um espaço online em muitas plataformas colaborativas disponíveis ou até combinar um blogue com uma unidade partilhada na cloud, seja na portuguesa MEO Cloud seja nas internacionais OneDrive, Google Drive, Dropbox ou outras).

2.A - Identifiquem para cada semana quais os materiais que os alunos têm de estudar

Ou seja, quais são as páginas relevantes do livro? Quais os artigos? Os vídeos online? A documentação técnica? Os relatos de casos?

2.B - Indiquem qual é o objetivo de estudo em cada material - objetivamente

Ou seja, não se limitem a dizer "estude estas páginas e estas". O aluno irá lê-las sem saber se o objetivo é decorar factos ou extrair alguma reflexão. Não saberá se é para confrontar as ideias das conclusões do artigo 1 com a tabela intermédia do artigo 2 ou se é para acumular os factos de um artigo com os do seguinte. Digam aos alunos o que é que pretendem que atinjam em cada leitura/visualização/análise.
Nisto incluam algumas atividades formativas. Exercícios tradicionais (não complicados) com soluções, problemas para analisar com resolução... expliquem que o objetivo é os alunos verem se conseguem chegar às resoluções ou soluções através do estudo.
No caso de matéria sem respostas certas, proporcionem aos alunos rubricas de avaliação: ou seja, tabelas que os ajudam a perceber quais os aspetos estruturais de uma resposta sólida, inconsistente ou incoerente. As minhas colegas Lúcia Amante e Isolina Oliveira têm um bom trabalho - objetivo - sobre isso e podem encontrar muitos exemplos online.

2.C - Definam atividades de debate e reflexão sobre a matéria entre toda a turma - não apenas "Espaços de dúvidas"

Mesmo com indicações, os alunos podem sentir-se desmotivados a estudar ou não estar realmente a sentir que avançam nesse estudo. Só tem dúvidas quem já está a avançar com êxito no estudo. Quem realmente precisa da vossa intervenção docente provavelmente... não tem dúvidas. Mas não é possível atuar um-para-um com turmas que enchem auditórios. Por isso, é preciso que eles próprios entrem em debate - ou convosco, mas em grupo, como numa aula, não como em reuniões de gabinete.

Se tiverdes acesso a um Moodle ou outra plataforma LMS, criai um fórum (pelo menos) para cada tópico. Nesse fórum, indiquem quais os aspetos-chave que requerem debate. Não apenas coisas que sejam lineares da leitura. Não! Coloquem casos reais interessantes para análise. Dilemas teóricos. Exercícios, problemas ou casos que não sejam de resolução simples, que levem muitos alunos a pedir ajuda aos colegas e ao docente.

2.D - Se usarem algum vídeo vosso, que seja curto e enquadrador/motivador, não expositivo

 Os alunos gostam de vídeos. É uma forma de linguagem comunicacional que lhes agrada, desde que sejam bem feitos. E quando a linguagem agrada, isso contribui para a motivação. Mas também conferem a quem os faz e a quem os vê uma falsa sensação de competência. A investigação empírica diz-nos que os vídeos têm taxas de visualização muito diferenciadas, entre quem os vê na íntegra e quem só vê alguns minutos. 
Por isso, os vídeos mais eficazes são para efeitos muito específicos.
  • De vez em quando, mostrem o vosso rosto ou usem a vossa voz, para os alunos sentirem que realmente é o seu professor que ali esta (não é obrigatório nem têm de fazer isto em todos os vídeos) - eu tenho apenas um com o meu rosto, para abrir a disciplina.
  • Façam os vídeos sempre curtos (3-5 minutos, no máximo 6 ou 7) para dar a vossa perspetiva sobre a matéria que vai ser estudada, para orientar o estudo, para motivar. Deixo aqui os exemplos dos meus para uma disciplina de engenharia informática na Universidade Aberta, mas estão longe de ser perfeitos - isto é sempre um processo em melhoria contínua.
  • Indiquem vídeos que já estejam na Net, que sabeis ser de boa qualidade, como forma de encaminhar os alunos para materiais bons, em vez de os deixar à deriva no meio de um mar de desinformação.

3.ª - Estejam presentes na vossa disciplina online

Não basta disponibilizar conteúdos e atividades e ficar à espera de dúvidas. Isso só apoiará a pequena fatia de alunos muito dedicados. E mesmo esses não estão a ter o apoio devido, porque com mais presença vossa chegariam mais longe. Há 9 horas letivas por semana (12 no ensino superior politécnico) a dedicar à lecionação. 

3.A - Semeiem para colherem

Como já referi na sugestão 2.C, não se limitem a anunciar estar disponíveis para tirar dúvidas. É vossa responsabilidade perturbar as águas do pensamento para que as dúvidas emerjam. Orientem o debate, dando objetivos concretos. Por ex., "Cada aluno deve analisar aqui um vídeo do YouTube diferente, à luz dos aspetos x, y, z da matéria"; "Partilhem aqui o resultado que vos deu quando usaram a ferramenta XPTO em..."; "Devem debater estes casos/exemplos/dilemas segundo os princípios de..."; "Como podemos combinar os princípios de Fulano com os de Sicrano, quando são contraditórios neste caso...?"; etc.

3.B - Intervenham regularmente

Se os alunos não estiverem a participar, ide ao fórum ou local de debate e coloquem algum incentivo. Pode ser só encorajamento e disponibilidade, de início. Mas podeis também dar um exemplo do que pretendeis que seja feito. Ou partilhar alguma novidade ou complemento interessante. Etc.

3.C - Falem com os alunos, não para os alunos

Isto vem na continuidade do 3.B. Não basta dizer "Então, ninguém tem dúvidas?". Até pode ser contraproducente. Os alunos têm de sentir que vale a pena intervirem, que ganham com isso no que aprendem e no que os professor os esclarece. Se sentirem que só podem intervir para exibir competência e domínio... não intervirão senão os que menos precisariam da vossa ação docente.
Ao incentivarem, mostrem exemplos do que pode ser um problema ou dúvida que aparece ao estudar e que faria perder muito tempo, mas em minutos pode ser resolvida pelos colegas ou pelo professor se for exposta.
Ao responderem aos alunos, não tentem engolir o mar respondendo a cada um (a menos que sejam poucos): agrupem várias respostas que tenham algo em comum e façam uma resposta global a todas elas, como se numa aula presencial tivessem deixado falar vários alunos e depois interviessem para consolidar ou dissecar o debate.
Tentem interpretar a que está por trás dos equívocos dos alunos. Em vez de assumirem logo um erro de entendimento ou uma desatenção, perguntem, com hipóteses, se o aluno estará a ver a questão desta ou daquela forma. Deixe a resposta final para uma fase posterior, quando ficar mais claro para si, para o aluno e para os colegas que estão todos sintonizados.

4.ª - Usem os momentos síncronos para encorajamento e apoio humano: não para matéria

Os alunos do presencial estão todos no mesmo fuso horário e, ao contrário dos da Universidade Aberta, estão quase todos com a semana livre para se dedicarem ao estudo (ou seja, a grande maioria não tem emprego nem familiares a cargo). Isto permite-vos agendar sessões síncronas e até ter efetivamente os alunos presentes nelas, sejam por videoconferência sejam por chat.

4.A - Usem um espaço comunitário para evitar sentimentos de isolamento

Hoje em dia os alunos não estão em frente de um computador a toda a hora. Mas estão sempre com telemóveis. Por isso, ter um espaço de chat com notificações móveis é uma solução boa para quebrar sentimentos de isolamento. Podem usar, por exemplo, o WhatsApp, que permite aos alunos ter o conforto de saberem que o que escrevem é imediatamente recebido pela turma. Quem estiver disponível pode reagir e esse conforto do apoio disponível é reconfortante. Podem complementar isto com espaços de publicação e partilha de documentos ou outros materiais, como um wiki, um fórum do Moodle, uma pasta partilhada na cloud, ou até um mundo virtual 3D, conforme a vossa disponibilidade, ambição e perspetiva.

4.B - Tirem dúvidas ao vivo só para aspetos pessoais ou urgentes, não como atalho

Se um aluno sentir que basta colocar uma pergunta no WhatsApp, Skype, Zoom, etc. para ter resposta... passará a usar sempre esse canal. Só que há mais alunos além desse! Se a dúvida não tiver dimensões pessoais ou outras que recomendem a privacidade, o mais correto é o compromisso de presteza ocorrer nesse momento síncrono mas ser feito no espaço online partilhado, em benefício de todos. Por ex.: "Coloque essa dúvida no fórum deste tema, que eu comprometo-me a responder-lhe lá na próxima meia hora - na próxima hora - até ao fim do dia" (conforme a situação o recomende).
Desta maneira, o aluno tem o conforto de saber que tem resposta eficaz e garantida, que o professor está presente, mas a dúvida é exposta a todos, gerando dinâmica na disciplina e incentivando outros alunos a exporem também as suas dúvidas. E a resposta do professor beneficia o debate geral, não apenas o aluno que a colocou em privado.
Se o caso em apreço recomendar uma resolução imediata da dúvida, então que se resolva de imediato. Por ex.,quando o aluno tem apenas aquele horário disponível num sítio com rede antes de regressar a um domicílio sem rede, ou porque tem estado em recuperação de um problema de saúde e não convém desperdiçar um momento em que se sentiu restabelecido. Mas nesses casos, deve-se colocar ao aluno o compromisso de partilha com a turma: "Eu vou-lhe responder agora, mas faça-me o favor de depois ir ao fórum da disciplina, partilhar a sua dúvida e a minha resposta, em benefício de todos os colegas." É importante que seja o aluno a fazer essa partilha, se possível, por ser um contributo para uma dinâmica entre pares (alunos) não apenas uma dinâmica magistral do professor.

5.ª - Informem-se mais e mais sobre o ensino online e inovem

Voltando ao início, há uma imensidade de trabalhos sobre como ensinar online. As dicas que aqui deixei são apenas uma gota inicial, para esta situação de contingência. Há mais colegas a ajudar, podem começar pelas dicas do George Veletsianos. Depois ver os 10 princípios fundamentais deste artigo da Chronicle of Higher Education. E a seguir voltar a mais conselhos para a pandemia atual, dados pelo Tony Bates.

Além das dicas, há uma imensidão de técnicas, práticas e conhecimento. Um bom resumo de 25 anos de tecnologia educativa foi publicado recentemente enquanto livro em PDF gratuito pela Athabasca University Press. Nas comunidades e coleções do Repositório Aberto da UAb encontram uma infinidades de recursos e trabalhos sobre os mais variados aspetos da área. E tanto no YouTube como em muitas outras plataformas e sítios Web encontrarão sugestões, instruções, exemplos, indicações, de uma multiplicidade de técnicas e meios.
Por exemplo, podem usar o Twine para os alunos criarem histórias interativas online; mapas mentais partilhados para irem acompanhando o processo de extração de significado por parte dos alunos de um conjunto desorganizado de espécimes de documentação; ter portfólios interligados de páginas Web e documentos partilhados para acompanhar trabalhos de equipa distribuídos; e muito mais.

6.ª - Sejam académicos também ao refletir sobre e-learning, usem o sentido crítico, não caiam no achismo

Demasiadas pessoas que evitam opiniões desinformadas ou ignorantes na sua área chegam ao ensino, à educação, à aprendizagem, cheias de certezas. As ciências da educação já têm cerca de 100 anos de evolução enquanto ciência. Há construção de saber. Há uma enorme comunidade que estuda, investiga, publica resultados e tenta reproduzi-los. Pormenores como estabelecer a duração dos vídeos conforme o objetivo, a sua estrutura, a utilização deles no contexto de uma disciplina, a forma de escrever, etc.... para tudo isto há investigação. O Google Scholar ajuda e vale a pena, como em todas as áreas científicas, explorar a literatura da área para irmos ficando cada vez mais informados.

Colegas, vale a pena enveredar pelo ensino à distância.
E quem sabe, até possam no futuro usá-lo em combinação com as aulas presenciais, para extrair de ambas o máximo valor.

sexta-feira, fevereiro 28, 2020

Intervenção na Assembleia Municipal de 28 de fevereiro de 2020

Caros munícipes,

Aqui deixo a minha intervenção no período antes da ordem do dia da Assembleia Municipal de Ansião de 28 de fevereiro de 2020.

Senhor Presidente:
Aos munícipes, o que mais se anseia do executivo municipal é sentir que este os representa e defende. Como munícipe, tenho testemunhado vários episódios que me preocupam por ver um executivo mais centrado em si mesmo do que nos munícipes.
Se calhar devia ter percebido quando as primeiras intervenções nesta casa foram para dizer que chegara a democracia. Estranha e preocupante conceção de democracia, achar que só existe quando se ganha. Mas atribuí ao entusiasmo.
Se calhar devia ter percebido quando se eternizou a reparação dos danos nas infraestruturas - como os buracos que há semanas se mantêm nas pontes do parque verde - e a conclusão de obras se eternizaram, embora o pagamento de refeições em grande número nas festas e demais gastos de imagem se tenham agilizado. Mas atribuí à inexperiência e novamente ao entusiasmo.
Se calhar devia ter percebido quando as opções estratégias para desenvolvimento do concelho foram adiadas ou substituídas por cosmética. Mas atribuí à insegurança de querer afirmar-se diferente.
Mas o acumular de circunstâncias não me permite manter essas interpretações:
 - vivi o silêncio e abandono dos munícipes com a passagem das águas para a APIN perante um silêncio displicente da câmara;
 - constatei a relação díspar do executivo com o associativismo chegando a não estar nenhum membro presente em cerimónias de diversas coletividades;
 - testemunhei como o vice-presidente quis ditar às famílias como viver a sua própria vida.
Destes, trago hoje este último aspeto, conforme me comprometi a tal na reunião da associação de pais da escola, em face do espanto geral pelo que vivenciámos.
Foi exposto aos pais de crianças da creche e jardim de infância que haveria 6 semanas sem qualquer apoio às famílias. Como as famílias só têm 4 semanas de férias, expus os problemas que isso causa às famílias, obrigadas a passar férias separadas, obrigadas a despesas com a vigilância das crianças nas semanas em que os pais estivessem a trabalhar. 
Perante a nota de que nem todas as famílias têm a sorte de ter avós disponíveis, como eu tenho; que nem todas têm disponibilidade financeira para pagar a empresas de tempos livres, sendo condenadas a passar férias separados, um adulto a trabalhar enquanto o outro toma conta dos filhos, para abrangerem as seis semanas, chegou-se a esta tentativa de silenciamento: que a associação de pais tinha concordado com a proposta.
Repare, senhor presidente: o que importou não foi reagir aos problemas das famílias, foi silenciá-los.
A vice-presidente da associação, que tinha estado na reunião insurgiu-se: não tinha expressado tal concordância: tinham-lhe simplesmente sido apresentadas em reunião as seis semanas como aquilo que o município propunha, que era melhor do que o ano anterior. Não havendo qualquer negociação e sendo preciso votar sobre avançar ou não, simplesmente votou a favor para o processo continuar, em nenhum momento lhe fora solicitado parecer que pudesse ser apresentado como concordância da associação de pais.
Surpresa das surpresas: o vice-presidente justificou esta opção na reunião de pais dizendo que achava que se devia forçar as famílias a estar com os filhos. E para que ninguém achasse que era lapso, enfatizou: "a palavra é forte mas acho mesmo que é preciso forçar". Ainda repetiu uma terceira vez: "forçar as famílias".
E no final, saindo da sala, ainda me disse que quem não tivesse alternativa que colocasse os filhos na Santa Casa.
São muitos casos, senhor presidente, mas vai alterar a conduta do executivo para ou continuará a forçá-los à vontade do executivo, a abandoná-los e a ser rápido só nas despesas sem estratégia, que não precisem de planeamento nem de futuro?

sexta-feira, setembro 27, 2019

Intervenção na Assembleia Municipal de 27 de setembro de 2019

Caros munícipes,

Tal como nas anteriores Assembleias Municipais de Ansião, deixo aqui o teor da minha intervenção, neste caso na assembleia desta sexta-feira, 27 de setembro de 2019.

Senhor Presidente:

O estado atual do Concelho infelizmente não é de êxtase, como parece achar o Partido Socialista, mas de estase: uma condição onde nada se desenvolve mas se consomem recursos para assegurar a sobrevivência.
É o resultado de uma atuação sem visão de futuro, que chama estratégia ao que é apenas marketing, onde se gastam recursos ao sabor do momento, sem planos ou horizontes, privilegiando a imagem. É esta a marca deste executivo.

Como exemplo, vou expor aquilo que revela a sua ausência de respostas à quase totalidade das perguntas por mim feitas nesta assembleia nos últimos dois anos. 
Todas as perguntas seriam de resposta fácil, nesta assembleia ou posteriormente, se houvesse documentos, factos ou reflexão. 
A ausência de resposta com factos concretos, com documentos concretos, fala bem alto quanto à ausência de reflexão, visão ou perspetiva naquilo que é a ação do executivo.
É apenas um pequeno sintoma daquilo que os munícipes sentem no terreno.
Serei sintético, mas será difícil ser curto, pois já vamos em 20 perguntas sem resposta, senhor presidente. 

Assembleia de 24 de novembro de 2017:
Perguntei: como é que o deputado Marcelo Afonso sabia, enquanto deputado, da existência de informações e documentos concretos que só o executivo poderia conhecer? Porventura o executivo recebeu do deputado um pedido de informação sobre isso? Ou confundiu o papel de deputado com a sua colaboração com o executivo?
Sr. Presidente: não me respondeu a esta pergunta concreta. Ficámos sem um compromisso ético, sem uma orientação para a ação do executivo de tentar evitar conflitos de funções, algo que tão importante à democracia.

Assembleia de 29 de dezembro de 2017:
Perguntei: por que motivo não estavam previstas nas Grandes Opções do Plano as verbas para que a coordenadora do Centro Local de Aprendizagem da Universidade Aberta pudesse vir a ser contratado pela Universidade, conforme previsto no protocolo com a Câmara, em vez de apenas cedido provisoriamente?
Sr. Presidente: não me deu qualquer resposta. Não sabemos até hoje qual a forma como o executivo pretende cumprir o protocolo e passar a definitiva esta situação provisória.

Assembleia de 26 de fevereiro de 2018:
Solicitei: o texto definitivo do protocolo assinado com a Universidade Aberta, pedido antes dessa Assembleia Municipal. Pois só dispunha das minutas.
Sr. Presidente: não me foi enviado até hoje.

Perguntei: porque é que o Sr. Presidente disse em reunião de câmara que a coordenadora era a meio tempo, quando as minutas diziam ser a tempo inteiro. Teria sido por não ter lido o protocolo?
Sr. Presidente: não esclareceu o motivo da afirmação que fez em reunião de câmara.

Reiterei: a pergunta da assembleia anterior, de 29 de dezembro de 2017. Porque é que as Grandes Opções do Plano e Orçamento não contemplam o previsto no protocolo?
Sr. Presidente: afirmou que estava tudo no orçamento, o que não corresponde à verdade nem à pergunta (grandes opções do plano). 
Assembleia de 27 de abril de 2018:
Perguntei: já que adiara a expansão do Camporês do verão de 2019 para o final de 2020, se não seria pelo menos tentar planeá-la para o final de 2020, apenas antecipando para 2019 os 15% da verba para que o Camporês então tinha prevista 2020.
Sr. Presidente: em vez de responder à pergunta e à proposta, negou a evidência de se estar a adiar, quando o adiamento era factual: adiava a execução candidatava mais de um ano em relação ao previsto, ainda antes de se deparar com eventuais problemas de implementação no terreno. 
Repare que a pergunta não era sobre o motivo do adiamento... talvez estivesse a responder à pergunta que julgava que surgisse, mas não respondeu à pergunta que realmente foi feita.

Assembleia de 28 de setembro de 2018:
Perguntei-lhe: quais as medidas concretas para o eixo da romanização, para uma verdadeira estratégia de gestão e valorização do património em Ansião?
Sr. Presidente: respondeu-me ao eixo da romanização falando no centro interpretativo do rio Nabão.

Fiz-lhe cinco perguntas sobre os problemas com a qualidade da água, cinco perguntas até hoje sem resposta:

    1.ª se os relatos de telefonemas às escolas são falsos, porque não desmentiu as pessoas que os relataram publicamente?
    2.ª se não houve contaminação, porque fez um choque de cloro?
    3.ª se não tem análises feitas em Ansião antes do choque, como sabe qual era a qualidade da água, com temperaturas de 40 graus?
    4.ª há ou não um registo, auditável, do funcionamento dos sistemas de tratamento e dos atos dos funcionários que neles atuam?
    5.ª se não tiver análises feitas em Ansião, porque não divulgou as feitas 

à nossa água por municípios vizinhos, nas localidades deles por nós servidas?
Sr. Presidente: nas atas constata-se que afirmou que não ocorreram alterações nas práticas, quando a pergunta não era sobre isso mas sim sobre factos e documentos concretos que permitem avaliá-las. Até ao momento, sem resposta. Não sabemos o motivo pelas ações e inações, não sabemos se os documentos existem, nem o conteúdo, se existirem.

Assembleia de 28 de dezembro de 2018:
Pedi-lhe: um esclarecimento sobre as consequências do ato de eleição de representantes da Assembleia Municipal para a CPCJ em novembro de 2017.
Sr. Presidente: declarou ter anulado por despacho uma decisão da Assembleia Municipal, afirmação constante em ata, que a ser verdade poderia constituir uma usurpação de poderes. Até ao momento essa afirmação e clarificação não foi retificada nem respondida. Não sabemos que ato terá efetivamente feito nem a avaliação jurídica desse ato.

Assembleia de 28 de janeiro de 2019:
Perguntei: porque não foi anexada à proposta de transferência de competências uma lista do património público cuja gestão se pretende transferir.
Sr. Presidente: afirmou que só constituem esse património as casas da GNR no Pontão. Mas foi feito o levantamento? Foi constituída a lista de património, que era a pergunta? Confirma-se que só há esse património? 

Assembleia de 28 de fevereiro de 2019:
Pedi-lhe: face a não resposta a solicitações anteriores para o mesmo efeito, o caderno de encargos da avença ao cidadão Rui Lopes.
Perguntei-lhe: se considerava correto aplicar um total de €13.000 de dinheiros públicos num contrato cujo objeto nunca foi divulgado nem esclarecido;
Perguntei-lhe: quais os benefícios que resultaram para o município, em concreto.
Perguntei-lhe: quais os passos a seguir e os critérios a cumprir para que os jovens que queiram criar uma empresa possam beneficiar de igual apoio da Câmara Municipal.

Sr. Presidente: não respondeu a estas quatro perguntas, preferindo falar nos resultados futuros - isto quando os contratos com o estado se referem a trabalhos concretos a fazer e a resultados concretos a avaliar. Não a consequências futuras.
Não divulgou, até hoje, o caderno de encargos.

Reiterei a pergunta. E em Assembleia Municipal posterior voltei a pedir, no caso ao seu vice-presidente, o caderno de encargos.
Sr. Presidente: voltou a não responder sobre o contratado e pago, apenas sobre o que se espera possa advir no futuro. O seu vice-presidente disse desconhecer que o caderno de encargos não fosse público, quando já tinha sido pedido nesta assembleia. E até hoje continua por revelar.

Assembleia de 29 de abril de 2019:
Perguntei-lhe: dado que o executivo no seu plano afirmava ter zero propostas de candidaturas em preparação e zero euros de investimento a candidatar, como pretendia corrigir este problema.
Sr. Presidente: contradisse os próprios documentos que apresentou, dizendo que havia candidaturas em preparação, embora neles não viessem indicadas. Mas não enviou desde então qualquer correção. Continuamos sem saber se afinal há ou não há candidaturas em preparação.

Em suma, senhor presidente:
- o Concelho estaria melhor se houvesse uma atuação com visão, com planeamento, com estratégia. Mas como os orçamentos se mudam ao sabor das conveniências, como os protocolos ficam por executar sem conhecimento do seu teor, os prazos se adiam como ponto de partida, os contratos se entregam sem conhecimento do conteúdo e a gestão se faz sem instrumentos de registo e controlo... o que vemos é um concelho num estado de estagnação, que gere o dia-a-dia mas não prepara o futuro.


sexta-feira, junho 28, 2019

Intervenção na Assembleia Municipal de 28 de junho de 2019

Caros munícipes,

Deixo aqui o teor das minhas três intervenções na Assembleia Municipal desta sexta-feira, dia 28 de junho de 2019, no período antes da ordem do dia.

Expresso aqui desejos de rápido restabelecimento ao Senhor Presidente da Câmara e peço ao senhor vice-presidente a amabilidade de lho transmitir.
Trago aqui hoje três breves temas.
1.º: Conselho Consultivo da ETP Sicó
Na qualidade de representante do Município, eleito por esta assembleia, nesse conselho consultivo, desejo esclarecer uma dúvida que pode surgir da leitura das atas das reuniões de câmara. Na ata da reunião de câmara de 6 de maio, linhas 87 e 88, na intervenção do presidente da câmara, é referido que esse conselho reuniria no dia 10 de maio. Tive já oportunidade de confirmar com o Diretor da ETP Sicó que essa reunião não teve ainda lugar, pelo que deixo aqui aos membros desta assembleia esse esclarecimento.

2.º: O que consta do caderno de encargos com o fundador da Forging?
Agora que as atas das recentes assembleias municipais estão disponíveis por consulta pelos munícipes, torna-se claro que as perguntas que foram então colocadas acerca da avença efetuada durante vários meses ao empreendedor da empresa Forging não foram respondidas. Pelo que volto a questionar. Foram gastos vários milhares de euros nessa avença, sem que o caderno de encargos seja público, sem que saibamos ao certo em quê. As respostas do senhor presidente da câmara, em ata, é que veremos resultados no futuro. Isso não corresponde ao que determina o bom uso de dinheiros públicos: os serviços a prestar têm de ser descritos no caderno de encargo e estando o serviço concluído é necessário verificar se foi efetivamente prestado. Não são os efeitos futuros que se avaliam, mas sim a prestação ou não do que foi contratado. Volto por isso a perguntar: em que foi aplicado esse dinheiro? O que consta do caderno de encargos e o que foi entregue?

3.º: Identificar a partir de onde foi feito o desenho de Pier Maria Baldi
Todos conhecemos a intervenção calamitosa no painel de azulejos da Rainha Santa, que tanto embaraça a câmara, a ponto de nem a incluir no recente relatório de atividades. O mal está feito e o património perdido. Compreendo que o executivo tenha alguma vontade de contrabalançar esta situação de forma rápida. Até acho boa ideia a colocação dos painéis de azulejos relativos ao desenho do séc. XVII de Pier Maria Baldi, dando a conhecer a mais munícipes a existência desse documento talvez único que representa Ansião nessa época.
Mas acho que já é altura de o executivo começar a fazer realmente algum contributo estratégico para o concelho, já que tanto fala de estratégia, mas só intervém de forma imediata. Como se notou no recente plano de atividades, onde assume que não tem candidaturas em andamento nem planeadas. Já é altura de iniciar algum contributo que demore mais tempo a refletir-se, que seja iniciado agora mas até demore mais do que um mandato.
Trago por isso uma sugestão: que sonde empresas de fotogrametria para efetuarem uma representação da área da vila, que permita identificar a partir de onde foi criado esse desenho. Nesse local até podia ser colocada uma representação do desenho, permitindo aos visitantes constatar a mudança da vila desde então. E que se faça algum protocolo com as instituições de ensino superior da área da arqueologia, temos várias na região, como o Politécnico de Tomar ou a Universidade de Coimbra, no sentido de usar essa informação para fazer um plano de exploração arqueológica ao longo de vários anos, que permita esclarecer por fim onde se situava a igreja velha e os edifícios de apoio visíveis no desenho, bem como até a torre nele visível e que, tanto quanto sei, não é referida noutras fontes. Isso sim, seria um objetivo estratégico e transformador, para vários anos, que poderia mudar o valor cultural e patrimonial histórico do que temos.

terça-feira, abril 30, 2019

Intervenções na Assembleia Municipal de 29-04-2019: parabéns à junta de Santiago, zero candidaturas a fundos em curso, Camporês perde um terço das verbas

Caros munícipes,

Deixo aqui o teor das minhas três intervenções na Assembleia Municipal desta segunda-feira, dia 29 de abril, que se prolongou já para as primeiras horas de dia 30 de abril.

1.ª: Parabéns à Junta de Freguesia de Santiago da Guarda pelo 1.º Festival do Cabrito de Sicó e do Queijo Rabaçal
Desejo felicitar publicamente a junta de freguesia de Santiago da Guarda pela organização pelo 1.º Festival do Cabrito de Sicó e do Queijo do Rabaçal. Foi uma iniciativa louvável da junta de freguesia, pois de facto permite dar maior visibilidade ao cabrito, fator de atratividade turística ainda pouco explorado, e ao queijo regional Rabaçal, que tem a sua maior empresa produtora estabelecida no nosso concelho.
A câmara fez bem em apoiar esta iniciativa da junta, que apesar das intempéries teve uma grande afluência, invejável e bastante assinalável. Dada a falta de eventos durante o inverno, tem condições para se afirmar como um evento único na região.
Por estes dois motivos - realçar património pouco divulgado e criar dinâmica numa época do ano sem concorrência, considero que tem características para poder ser considerado uma iniciativa de cariz estratégico.
E muito precisamos de iniciativas estratégicas vindas das juntas e da população, porque da propalada estratégia Coração de Sicó, até ao momento só temos o nome, nada mais.
2.ª: Zero (sim, 0) candidaturas a fundos comunitários em curso.
Olhando para a situação das candidaturas a fundos comunitários, nas páginas 140 e 141 [do relatório de gestão e prestação de contas da Câmara Municipal de Ansião], a situação que nos é apresentada só vem confirmar aos ansianenses a situação preocupante que já sentem. De um executivo que pouco faz, que fala do futuro, de estratégia, mas no terreno não age.
De facto, das 22 candidaturas a fundos comunitários, 19, quase todas, vêm de trás.
Só num ano, o de 2016, último ano integralmente da responsabilidade do PSD são 15. Deste executivo, temos... apenas 3.
15 a 3, senhor presidente. São milhões de euros a menos de financiamento para o concelho.
Logo ao ver este quadro me perguntei se estariam então muitas propostas em preparação. Se não tiveram oportunidade de as preparar neste ano e meio de funções, calculei que estivessem a planeá-las para o resto do mandato.
E a resposta estarrecedora vem logo na página seguinte:
    Candidaturas em preparação: 0.
    Investimento a candidatar: 0 euros.

Zero. Este executivo afima e publica que não tem candidaturas em preparação.
Nenhuma.

Os financiamentos comunitários são essenciais para podermos investir sem ficamos com saldos de tesouraria e sem esgotarmos o nosso endividamento. Sem eles, ficamos muito limitados.
Os executivos do PSD nos últimos anos trouxeram milhões de euros comunitários para este concelho. O executivo atual
[do PS] assumiu, neste documento, que navega à vista. Assumiu, preto no branco, que não está a fazer nenhuma candidatura comunitária.
Este documento revela que o investimento no futuro não é a preocupação deste executivo.
Senhor presidente, como afirmou hoje aqui, uma árvore, se não for regada hoje, não dá frutos amanhã. Sem candidaturas em 2018, os financiamento para 2019 e 2020 já estão em grande parte desperdiçados.
Isto é ainda mais surpreendente quando nos recordamos que este executivo tem mais um vereador a tempo inteiro do que o anterior. Logo, seria de esperar mais atividade.
Como pensa minorar este problema?
3.ª: Expansão do Parque Empresarial do Camporês perde 545.000€
 [Sr. Presidente,] Deu-nos aqui [nesta assembleia] vários compromissos de que o atraso do Camporês está no cerne das preocupações do executivo. Contudo, nas modificações ao plano plurianual de investimentos, a ampliação do parque empresarial do Camporês perde 266.000 euros este ano e perde 264.000 euros em 2020. Ao todo, são 545.000 euros a menos, uma redução superior a mais de um terço do orçamentado.
É por isso compreensível que os ansianenses receiem que a ampliação do Camporês se atrase mais ainda do que o atraso que já tem. E como o quadro comunitário termina em 2020, que receiem que se desperdice o financiamento que a permite.
Há uma mudança de paradigma, como dizia o caro deputado Nuno Costa. Concordo, desta forma: até aqui, tínhamos uma zona industrial com boas infraestruturas pronta a acolher investidores. Agora, o executivo raspa o fundo do tacho a tentar libertar um ou outro lote nos poucos que há
[como relatado nas intervenções do início da sessão].
Criticando, diga-se, cedências de lotes que na altura o próprio PS votou favoravelmente e lhe pareciam, por isso, boas.
O paradigma é diferente, estamos de acordo.
Entretanto, por não agir a preparar o futuro, em breve o que corremos o risco de dizer aos investidores é que voltem a perguntar passado um ano ou dois porque deixámos esgotar os lotes, temos 23 lotes financiados mas já perdemos ano e meio sem iniciar obras, a primeira medida deste executivo
[do PS] foi adiá-las, a segunda é reduzir o financiamento.
De que vale falar de empregos, se o investimento que os pode trazer é o mais descurado por este executivo?
Quando vamos deixar de ouvir apenas palavras que são contrariadas pelos documentos escritos?

sexta-feira, setembro 28, 2018

Se a água esteve boa, porque houve choque de cloro? - 2.ª Intervenção de Leonel Morgado na Assembleia Municipal de Ansião de 28/09/2018

Caros munícipes,

Apresento aqui a minha intervenção na assembleia municipal de dia 28 de setembro de 2018, relativa à falta de informação segura, clara, objetiva sobre a qualidade da água nos dias imediatamente anteriores às festas de agosto.

EDIÇÃO: em resposta à minha intervenção e apenas hoje, 28 de setembro, foi anunciado que hoje uma avaria no dispositivo de cloro que provocou o pico de cloro no dia relatado. Até hoje, até esta intervenção, a posição da câmara era que nada se tinha passado.

Senhor presidente:


Na véspera da inauguração das festas do concelho, levei à boca em casa, como todos os dias, um copo de água da rede. Há muitos anos que temos plena confiança na qualidade da Água em Ansião. Até me assustei: a boca ardia, a garganta ardia! Cuspi toda a que pude, esvaziei o jarro que tinha enchido para o jantar.


Houve um choque de cloro. Uma desinfeção de emergência do abastecimento de água em Ansião.

Já havia nessa altura na terra e nas redes sociais quem afirmasse – até mesmo à mulher de um dos seus vereadores, pelo que não são vozes anónimas, mas sim identificadas – que escolas de Ansião tinham recebido um telefonema da câmara a alertar para que as crianças não consumissem a água.

Tive já oportunidade de comunicar ao vereador Alexandre, no dia seguinte, em breves instantes durante a inauguração das festas, que fez bem em ter o cuidado de fazer a desinfeção de emergência.

A minha surpresa, senhor presidente, é constatar a reação da Câmara às preocupações que circulavam.


De facto, como a câmara relatou, houve um surto viral que atingiu pelo menos a região entre Leiria e Coimbra, causador de vários sintomas gastrointestinais. A isto a câmara é alheia. Não há qualquer dúvida sobre isso.

Mas se as preocupações de existência de uma contaminação bacteriológica na água da nossa rede, no mesmo período, fossem injustificadas, senhor presidente, esperar-se-ia que os factos apresentados fossem claro e objetivos. Não deixassem margem para dúvidas. Que nos desse a confiança de estar a controlar os processos ligados ao abastecimento de água.

Não foi isso que se passou.

Perante a preocupação generalizada, a câmara referiu resultados de análises do primeiro trimestre, já estando nós em pleno agosto. Depois referiu que as análises feitas dois dias depois do choque de cloro nada apresentavam. Mal seria, se após uma desinfeção de emergência houvesse ainda problemas!


Senhor presidente, esclareça os munícipes:


  • se os relatos de telefonemas às escolas são falsos, porque não desmente diretamente as pessoas que os fazem publicamente?
  • se não havia contaminação, porque fez um choque de cloro?
  • se não tem análises feitas em Ansião antes do choque, como sabe qual a qualidade da água, com temperaturas de 40 graus?
  • há ou não um registo, auditável, do funcionamento dos sistemas de tratamento e dos atos dos funcionários que neles atuam?
  • se não tiver análises feitas em Ansião, porque não divulga as feitas por municípios vizinhos à nossa água, nas localidades deles por nós servidas?
Se tivesse comunicado estas informações, saberíamos que dominava os processos, que podíamos confiar no que se estava a fazer. Sem elas, só transferiu para os munícipes a preocupação com a veracidade das informações que circulam e com a segurança da nossa água.

ShareThis